------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
No Brasil - Megadeth
Vitor Rodrigues e Vera Kikuti
Fotos: MRossi

Quem assistiu à impressionante apresentação do Megadeth no Rock In Rio II, em 1991, quando tocou o álbum Rust In Peace, jamais imaginaria que veria a banda executar esse disco novamente. Duas décadas depois, no entanto, o grupo desembarcou no Brasil para a turnê de comemoração do 20º aniversário de Rust in Peace, considerado por muitos o melhor trabalho do Megadeth e um dos mais importantes do thrash metal. No show realizado no Credicard Hall, em São Paulo, dia 24 de abril, além de tocar o álbum na íntegra, o grupo apresentou clássicos de sua carreira e músicas de seu disco mais recente, Endgame.

Na época do lançamento de Rust in Peace, Dave Mustaine tinha como escudeiro o virtuoso guitarrista Marty Friedman, que gravou alguns dos mais memoráveis solos da banda americana. Juntos, eles formaram uma das mais poderosas duplas de guitarras do heavy metal. Desta vez, Mustaine teve Chris Broderick (ex-Jag Panzer e Nevermore) como seu parceiro de seis-cordas, com quem se revezou nos solos e manteve uma perfeita interação. Completaram o time o baixista David Ellefson e o baterista Shawn Drover.

A banda iniciou a apresentação com Dialectic Chaos e This Day We Fight!, ambas de Endgame. Dave Mustaine empunhou sua guitarra Dean VMNT “Angel of Deth” signature e Chris Broderick, uma Ibanez RG1527. Os clássicos In My Darkest Hour, Sweating Bullets e Skin O’ My Teeth vieram na sequência. Mustaine, então, trocou de guitarra e exibiu um modelo comemorativo da Dean, estampado com a capa do disco Rust in Peace, indicando o que estava por vir.

Foi quando soaram nas caixas do Credicard Hall, totalmente lotado, os primeiros acordes de Holy Wars... The Punishment Due, seguida pelas músicas executadas na ordem original do disco, em 45 minutos sem interrupções. Destaque para o talentoso Chris Broderick, que reproduziu nota por nota os solos de Marty Friedman e deixou os fãs bastante satisfeitos. Depois, a banda ainda incluiu favoritas de outros álbuns, como Symphony of Destruction e, no bis, Peace Sells, totalizando 21 músicas em duas horas de show.

Veja a matéria completa na Guitar Player nº 170

Matéria completa na Revista Guitar Player 170/Junho de 2010.
Para adquirir seu exemplar clique aqui.

[VOLTAR]
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
LEIA TAMBÉM
Rafael Raposo - Vivendo de Guitarra na Espanha (11/09/2017)
 Uma coisa bacana das redes sociais é poder descobrir instrumentistas de diversos lugares que não recebem o ... VEJA MAIS
Mika Jaxx - Vida Longa ao Hard Rock (11/09/2017)
 Quem frequentava o já saudoso Inferno Club e frequenta o Manifesto já deve ter visto Mika Jaxx em ... VEJA MAIS
Evento - Semana SL Rock, no Souza Lima (11/09/2017)
 De 11 a 15 de julho, a Faculdade e Conservatório Souza Lima, em São Paulo (SP), realizou a III Semana SL ... VEJA MAIS
Willian Lee (1970 - 2017) (11/09/2017)
As ruas do centro da cidade de São Paulo ficaram tristes sem a guitarra de Willian Lee, que costumava se apresentar com ... VEJA MAIS
Licks Rápidos | 5 Perguntas Para Flávio Barba (11/09/2017)
 Professor de guitarra, violão, harmonia e improvisação do Conservatório Musical Vila ... VEJA MAIS
Licks Rápidos | JEYSON ZÍMERER – BOTUCATU (SP) (11/09/2017)
 Meu nome é Jeyson Zímerer, sou paulistano, mas resido em Botucatu. Comecei a tocar guitarra aos 15 anos, ... VEJA MAIS
 
 



Frases x Acordes


Assinaturas | Contato | RSS | Guitar Player U.S |
© Copyright . 1996 . 2010 | GUITARPLAYER.COM.BR - MELODY EDITORA | Todos os direitos reservados | Site desenvolvivo por Gustavo Sazes | Abstrata.net